27062017Últimas:
27 de Junho de 2017, 15:54

O antigo Caminho do Peabirú

.

.

O geólogo alemão, Reinhard Maack  (1892–1969),  criou em 1952 o primeiro mapa do Paraná a mostrar o Caminho do Peabiru. O trabalho teve por base o manuscrito de outro alemão, Ulrich Schimidel.

Schmidel foi um dos primeiros a percorrer o Caminho de Peabiru, em 1553, saindo de Assunção, hoje capital do Paraguai, seguindo até São Vicente, em São Paulo, em um percurso de seis meses.

O caminho não é mais encontrado hoje pela atividade agrícola, além da construção de estradas e cidades.  Um artigo sobre o “Geoprocessamento aplicado a estudos do Caminho de Peabiru”, usa o mapa de Maack. A linha mais forte representa o ramal principal do Caminho de Peabiru. E as outras  representam os ramais secundários.

.

Clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense”, criado por este portal no Facebook. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

 

 

Mapa com o caminho do Peabiru sobre o Paraná
Mapa do Paraná com o Caminho de Peabiru.

 

A rota principal do caminho atravessa o Estado do Paraná no sentido leste-oeste, vindo de São Paulo, passando pelos municípios de Adrianópolis, Tunas do Paraná, Cerro Azul, Doutor Ulisses, Castro, Tibagi, Reserva, Cândido Abreu, Pitanga, Nova Tebas, Mato Rico, Roncador, Nova Cantu, Altamira do Paraná, Guaraniaçu, Campo Bonito, Braganey, Iguatu, Corbélia, Anahy, Aurora, Iracema do Oeste, Jesuítas, Assis Chateaubriand, Palotina e Terra Roxa, chegando às margens do Rio Paraná.

Além da rota principal, o caminho tinha rotas secundárias que atravessavam o estado no sentido norte-sul. Uma das rotas secundárias vinha de São Paulo, passando pelos municípios paranaenses de Salto do Itararé, Siqueira Campos, Wenceslau Braz, Arapoti, Jaguariaíva, Piraí do Sul, Castro, Carambeí, Ponta Grossa, Palmeiras, Porto Amazonas, Balsa Nova, Campo Largo, Araucária, Curitiba, São José dos Pinhais, Morretes, Paranaguá, chegando ao oceano Atlântico. Próximo ao município de Castro, o ramal secundário cruzava com o o principal.

Em Curitiba, outro ramal seguia sentido nordeste, passando por Colombo, Bocaiúva do Su e Campina Grande do Sul. Ali se dividia, com um ramal para São Paulo e outro para o Litoral, passando por Antonina, já no Atlântico. Em Araucária, um ramal secundário seguia para Santa Catarina, passando pelos municípios de Contenda, Mandirituba, Tijucas do Sul e Agudos do Sul.

Outro ramal secundário tinha início em São Paulo e atravessa o Paraná, passando pelos municípios de Jardim Olinda, Paranapoema, Paranacity, Cruzeiro do Sul, Uniflor, Atalaia, Mandaguaçu, Maringá, Floresta, Itambé, Engenheiro Beltrão, Peabiru, Campo Mourão, Mamborê, Juranda, Boa Esperança, Rancho Alegre do Oeste, IV Centenário, Formosa do Oeste, Jesuítas, Assis Chateaubriand, Tupãssi, Toledo, Ouro Verde, São Pedro do Iguaçu, Vera Cruz do Oeste, Diamante do Oeste, Ramilândia, Matelândia, Medianeira, Jardinópolis, Capanema, Planalto, Pérola do Oeste, Pranchita, Santo Antônio do Sudoeste, Bom Jesus do Sul, Barracão e Flor da Serra do Sul, de onde seguia para Santa Catarina. Esta distribuição permitia o deslocamento dos índios e dos primeiros exploradores.

 

 

peabiru indios

 

Clique aqui para encontrar mais informações no site do Museu Paranaense.

 

Vídeo da TV Brasil:


.

.

.

.

.

.

.

 

 

 

 

 

 

Que mais?

Publicações Relacionadas

Deixar uma Resposta

Enviar um comentário